Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O Cliente Perfeito

Uma perspectiva diferente do mundo encantado do atendimento ao público!

O Cliente Perfeito

Uma perspectiva diferente do mundo encantado do atendimento ao público!

Barreira Linguística

Com a globalização acelerada que ocorre no nosso mundo, ser lojista tem vindo a tornar-se mais complicado para quem tem mais dificuldade em línguas (estrangeiras, não sei que estavam a pensar). Mas nada temam meus amigos, pois cá eu acho que o essencial e necessário é ser desenrascado. Para resolver problemas de comunicação mais graves, como por exemplo com pessoas chinesas que muitas vezes nem inglês básico falam, já me apanhei em situações de ter que fazer desenhos, escrever o total da conta em números gigantes ou falar para o tradutor do telemóvel do cliente. Ou clientes russos a apontarem compulsivamente para o telemóvel a tentarem mostrar-nos que o pagamento saiu duas vezes da conta e nós a tentar explicar que o nosso MB não deixa isso acontecer. Não perceberam, saíram da loja a chamar-nos nomes feios, calculei eu porque não entendi patavina.

Mas quando eu achei que o problema vinha do outro lado do mundo, os nossos queridos vizinhos espanhóis fazem sempre o favor de nunca perceber nada do que eu diga e acabo por falar com eles em inglês. Eu percebe-os perfeitamente, mesmo sem noções avançadas da língua, mas para eles o nosso português anda perto do chinês. Ou quando uma senhora brasileira me pergunta se temos um "tomara que caí" em preto, e eu tive que ir perguntar à minha colega mas que raio era aquilo. Era um sutiã cai-cai, a verdade é que nunca mais me esqueci. Depois, para melhorar, inventaram uma coisa maravilhosa chamada Tax-Free*, que para acontecer os cliente precisam de nos dar algumas informações, que por vezes só vai lá com gestos.

 

Mas o problema não vem só la de fora, as vezes comunicar com pessoas de outra região do nosso Portugal é um verdadeiro desafio. Sendo eu, uma rapariga do centro do país, a primeira vez que me pediu uma meia-calça, lá fui eu toda contente mostrar leggings à senhora. Mas afinal o que ela queria mesmo eram collants. Ou quando me perguntaram se podia levar uma cruzeta para casa, fiquei uns segundos a pensar "mas que raio é uma cruzeta?", nada mais nada menos que um cabide. Ou ainda, quando as senhoras chamam bikini às cuecas interiores, uma pessoa toca de mostrar bikinis atrás de bikinis e afinal a senhora só quer um par de cuecas.

 

Afinal, ainda se aprendem umas quantas coisas dentro das lojas!

 

*O Tax-Free é a isenção do Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA) no regime dos viajantes com residência fora da União Europeia.

12 comentários

Comentar post