Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O Cliente Perfeito

Uma perspectiva diferente do mundo encantado do atendimento ao público!

O Cliente Perfeito

Uma perspectiva diferente do mundo encantado do atendimento ao público!

Erros fatais no currículo!

Hoje venho falar de uma coisa que não vem ao acaso, mas indiretamente está relacionado com o assunto geral do blog. Acho que nunca falei disto aqui, mas a minha área de formação é a gestão de recursos humanos (sim, sou uma pessoa masoquista), não é que vos interesse muito mas tenho que fazer esta introdução para me dar alguma legitimidade para falar sobre este assunto. 

Vou falar dos erros e falhas que muitas pessoas ainda cometem nos currículos. Erros que podem muitas vezes causar uma primeira impressão menos boa e em casos extremos, fazer com que essa pessoa não seja chamada nem para a primeira entrevista. E sim, eu sei que hoje em dia as empresas são demasiado picuinhas, que querem pessoas com 22 anos com 10 anos de experiência e coisas que tal. Mas é por isso que venho aqui apelar que não cometam erros básicos no currículo, porque esta é a vossa primeira forma de contacto com o empregador. E como todos nós sabemos, a primeira impressão conta e muito.

Passo a demonstrar alguns erros:

 

1) As fotografias ou a falta delas: Meus amigos como é que ainda em pleno século XXI certas pessoas acham que a fotografia que tiraram na outra noite na discoteca é digna de estar no currículo? A fotografia que colocam no currículo tem que ser muito simples, com o plano de fundo mais branco que arranjarem, onde estejam direitos, com uma maquilhagem moderada e não a maquilhagem de quem vai para o engate mas entretanto viu o ex e borrou o rímel todo com o choro. E depois existem aquelas pessoas que ocupam metade do currículo só com a fotografia e que até assusta quando uma pessoa abre aquilo no computador. E por fim, as pessoas que simplesmente não colocam fotografia. Eu pergunto porquê? Haverá alguma razão que eu desconheça? Não nos iremos conhecer numa eventual entrevista?

 

2) A idade: Este é um drama gigante, que eu bem sei que tem alguma razão de ser. Porque infelizmente no nosso país as pessoas mais velhas têm poucas oportunidades e então decidem simplesmente não colocar a sua data nascimento. Do ponto de vista do recrutador dificulta um pouco o nosso trabalho e por vezes pode tornar uma primeira entrevista telefónica mais constrangedora. 

 

3) Cronologia: Muitas pessoas evitam por datas no currículo. Ou porque simplesmente não se recordam das datas correctas ou porque não acham necessário. Ok, não é preciso colocarem o dia e a hora, mas o mês e o ano é necessário. Confirmar a estabilidade ou instabilidade profissional de um candidato é um exercício necessário que qualquer empregador faz, por isso não dificultem. 

 

4) Cuidado com a originalidade: Muitas pessoas gostam de fazer um currículo diferente do formato normal europeu, até aí tudo certo. Mas cuidado com o excesso de originalidade, por vezes é complicado retirar informações cruciais de um currículo que esteja demasiado elaborado. Temos que adaptar o nosso currículo à nossa área de formação, se somos da área do marketing digital é importante que o currículo seja diferenciador, mas, se somos da área da banca secalhar já não será assim tão fundamental... digo eu, é possível que esteja errada.

 

5) Os anexos: Ter certificados de línguas, workshops, cursos, cartas de recomendação é muito importante e fundamental. Mas também é importante adaptarmos o nosso currículo à vaga à qual nos estamos a candidatar. Será mesmo necessário aquele certificado do curso informático nível 4 quando nos estamos a candidatar à vaga no talho? (Foi só um exemplo exagerado).

 

6) A composição: Esta é uma situação que me faz panicar bastante. Existem pessoas por este mundo fora que escrevem toda a sua experiência profissional e académica em texto corrido, passo a demonstrar: "Após ter terminado a minha licenciatura em administração pública na faculdade tal, iniciei a minha atividade profissional como secretária na empresa X, onde as minhas principais funções são a organização documental, atendimento telefónico e marcação de reuniões. O meu contrato terminou porque isto e aquilo." e isto continua por longas páginas. Qual é a necessidade de fazer isto quando existem tantos modelos de currículos que colocam toda a informação por pontos, para que sejam bem visíveis e para que o processo de recolha de informação seja rápido?

 

7) A terceira pessoa: Eu nem sabia que tal coisa podia acontecer até ter lido com os meus próprios olhos. Pessoas que escrevem toda a sua apresentação no currículo na 3ª pessoa, passo a demonstrar: "O Pedro demonstra excelentes capacidades de comunicação e de liderança. Acabou a sua licenciatura em 2015 (...)", como é isto possível?!

 

8) As redes sociais: Esta já foi muito falada mas continua actual. Distingam bem uma rede profissional de uma rede mais social e pensem bem o que devem colocar em cada uma. Hoje em dia uma rápida pesquisa no Google resulta em encontrar todo o tipo de coisas maravilhosas.

 

9) Erros e mentiras: Primeiro, é fundamental que revejam uma e duas vezes (as vezes que forem precisas) o vosso currículo, não enviem, nunca, um currículo com erros ortográficos. Segundo, não mintam acerca da vossa experiência profissional. Não mintam nos motivos de saída porque facilmente se consegue fazer um controlo de referências, e, em muitos casos a sinceridade pode compensar. E por fim, descrevam as vossas funções, não escrevam apenas "lojista" e fiquem à espera que a outra pessoa que está a ler vosso currículo adivinhe quais as vossas tarefas diárias. 

 

E por último um conselho: Coloquem sempre os vossos contactos no início do currículo onde seja bem visível. Se a vossa área é mais técnica e utilizam programas específicos não tenham medo de colocar todos, por vezes as empresas podem procurar alguém que tenha experiência num programa específico.

 

Ups, isto ficou um bocadinho mais longo do que esperava. Mas espero que vos ajude de alguma forma. Na situação actual em que estamos, todos nós sabemos que a procura de emprego não é uma tarefa fácil então não vamos nós dar tiros nos próprios pés!

 

39 comentários

Comentar post

Pág. 1/2