Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O Cliente Perfeito

Uma perspectiva diferente do mundo encantado do atendimento ao público!

O Cliente Perfeito

Uma perspectiva diferente do mundo encantado do atendimento ao público!

20| O Bo tem Mel

Meus caros, uma coisa que vocês precisam de saber é que tudo o que um lojista tocar, o cliente também vai querer tocar.

Mas como assim? - Perguntam vossas excelências. 

 

Pois bem, uma dica que nos dão na formação de vendas é para as vezes andarmos com uma peça que vendemos na loja na mão ou pendurada na fita da chapa com o nosso nome. Isto torna-se fácil para quem vende sutiãs, por um sutiã pendurado no nosso braço por uma alça, parece parvo, mas digo-vos já que resulta. Se o cliente estiver a falar connosco, é quase certo que vai ver a peça e vai acabar por a querer. Outra técnica que muitas lojas utilizam é vestir os funcionários com roupa da loja, o que resulta em muitos aspectos. Ver a roupa vestida é completamente diferente do que estar pendurada num cabide. Eu, sempre que tínhamos uma peça única, vestia sempre a manequim com ela, passado uns minutos já estava vendida. Ao início as minhas colegas gozavam comigo, passados uns dias já faziam o mesmo e vinham-me avisar sempre que a peça era vendida. Há ainda lojas que colocam os objectos mais pequenos que não conseguem vender na caixa, assim no momento do pagamento o cliente é confrontado com o objecto que nem sabia que queria, mas já que está mesmo ali. A venda é toda uma questão visual e de toque, resumidamente.

Mas o ponto fulcral que queria partilhar convosco, perante todas estes factos, é o momento em que penduramos todos os artigos deixados nos provadores e os levamos connosco pela loja para arrumar nos respetivos sítios. Meus amigos, parece que estamos num campo cheio de minas. Em altura de saldos, por vezes eram tantas mãos a tentar chegar aquele bocadinho de ferro com os provadores pendurados que eu acabava por fugir. Era estar a colocar as coisas no sítio e as pessoas a tentar tirá-las das minhas mãos.

Já dizia o outro: quem vai à guerra dá e leva!

 

6 comentários

Comentar post