Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Cliente Perfeito

Uma perspectiva diferente do mundo encantado do atendimento ao público!

O Cliente Perfeito

Uma perspectiva diferente do mundo encantado do atendimento ao público!

2| ÁTOA

Este tipo de cliente intriga qualquer, ou pior, faz-nos questionar a nossa própria existência. Imaginem uma loja de pastilhas, que o nome da loja é PASTILHAS & PASTILHAS, imagem um espaço com metros e metros de paredes só com expositores de pastilhas, de todos os sabores e cores. Imagem os funcionários desta loja com o logotipo na farda. Agora imaginem um cliente entrar na loja e perguntar: Boa tarde, pode-me dizer em que zona da loja estão as pastilhas?

Não, não estou a inventar. Isto já me aconteceu, durante uns segundos duvidei até da minha própria existência e tive que olhar para o lado para confirmar se não tinha entrado numa barreira qualquer da terceira dimensão e mudado de lugar.  A resposta é sempre a mesma: por toda a loja. E a pessoa faz: ah.... hum... pois. Eu sei que a vida está complicada, que a nossa cabeça anda cheia de problemas, está frio e a crise não ajuda. Mas por favor, vamos lá facilitar a vida uns aos outros, nem é pedir muito, é só mesmo olhar. 

Já diziam os ÀTOA (banda portuguesa, uns quantos rapazes a cantarem baladas e coisas assim) "É difícil entender, tens que dar a cara". Eu dou senhores, eu dou.

 

*Nota: esta loja não existe, foi apenas um exemplo. Mas era cool.

1| Tesouro

Pois é, pois é. Sou daquelas pessoas que gosta de começar pelo o melhor, sim sou uma pessoa precipitada. Então decidi começar pelo o meu tipo de cliente preferido. O tesouro. E meus caros, o que é isto do tesouro? Não é mais nem menos do que os clientes com capacidades mágicas, capacidades para além do comum mortal. Pessoas que conseguem ler pensamentos e melhor ainda, ver através das paredes. Pessoas que metem em causa a integridade moral dos funcionários em troca daquele par de cuecas, tamanho S, pretas do qual não podem prescindir. 

Passo a demonstrar através do diágolo:

Cliente: Boa tarde, por acaso não tem estas cuecas em tamanho s?

Funcionária: Boa tarde, só um momento, vou verificar em sistema.

2 minutos depois...

Funcionária: Realmente já não tenho nada, mas estamos a prever receber mais para a semana.

Cliente: Tem a certeza?

Funcionária: Sim, tenho. Além de ter visto no sistema, confirmei com a minha colega.

Cliente: Importasse de ir ver ao armazém?

Funcionária: Tudo bem, dê-me 1 minuto.

Entretanto, a fada das cuecas entrou no armazém e com a sua varinha criou mais tamanhos S. Só que não, só que não...

Funcionária: Confirmei em armazém e voltei a confirmar em stock, e não, não temos mesmo o produto em loja.

Cliente: A menina tem a certeza? A menina tem mesmo a certeza? É que menina faz-me tanto falta.

Funcionária: Sim tenho a certeza, peço desculpa, tente passar para a semana, talvez tenha chegado mais.

Cliente: A menina tem a certeza que não tem lá perdido pelo armazém? Tem a certeza?

 

A saga nunca acaba aqui, continua mais uns bons minutos, até a senhora sair com o nariz empinado, chateadíssima com a vida e a soprar para o ar. Já não vai jantar bem, muito menos dormir. No primeiro dia da próxima semana, voltará a ligar e vai dizer as amigas: aquelas parece que não querem vender, por amor de Deus. Claro que não minha senhora, queremos guardar tudo, esconder em buracos. Até porque a nossa função não é vender, é amealhar.

O início

Este não é um blog qualquer. Aliás ainda não é blog nenhum, vamos lá tentar começar. Talvez por mim. Sou uma rapariga ali pelos 20 e picos anos, estudante, que entrou no mundo laboral à uns anitos, mais propriamente na área do atendimento ao cliente. Perguntam voces: existe coisa mais chata de que uma pessoa no momento que se transforma em consumidor? Não meus caros, não existe. Um cliente além de levar o velho ditado "o cliente tem sempre razão" à exaustão, de andar por este mundo a demonstrar a sua linda e maravilhosa arrogância, consegue ainda fazer muito mais, mas muito mais. E é isso mesmo que quero partilhar com voces, si preparem.

Pág. 2/2